Vida no frio extremo: roupas, calçados, planejamento

Atenção: todos os valores neste post estão em Reais (R$) e Dólares Canadenses (C$)
Atenção 2: todas as temperaturas estão em Celsius pois Fahrenheit não faz o menor sentido 

Deixar o Brasil no verão para começar a vida em temperaturas negativas não é das tarefas mais tranquilas. A transição é complicada e um pouco traumática, e olha que eu gosto bastante de frio. Acredito que a experiência de cada um e a tolerância individual ao frio possa influenciar demais a forma como o inverno canadense é vivido neste primeiro momento, mas a minha intenção nesse post é mostrar um pouco de como foi a adaptação e, principalmente, os improvisos que vivemos.


Mas afinal… chegando aqui, como eu vou me virar nesse frio do cão?


Vamos por seções:

Preparação e Chegada
Improvisando com Roupas do Brasil
Algumas palavrinhas mágicas: water + wind
As Roupas Térmicas
Os Casacos de Verdade
O Vocabulário das Roupas de Frio


O drama é o seguinte: final de 2016, alto verão carioca, aquele cenário de derretimento e puro caos. O verão já tinha começado deste Setembro, muito provavelmente. As máximas sobem a cada semana, e na fatídica data na qual deixamos o Brasil os termômetros já batiam os 38° facilmente. No dia 24 de Dezembro pela manhã, com uma sensação térmica de mais de 43°, saímos do apartamento dos meus tios (onde estávamos hospedados há mais de 2 semanas, após devolvermos nosso apartamento alugado) e fomos rumo ao Galeão pegar o vôo para Toronto com conexão na Cidade do Panamá.Estava quente, quente demais pra pensar. Aquele quente que só quem já viveu no Rio sabe como é: abafado, úmido, suado — onde cada movimento é uma tortura. Entremos no avião (assunto para outro post, né) e cerca de 15 horas depois estávamos numa temperatura de -5° com sensação de 15 graus negativos. Enquanto se está dentro do avião ou do aeroporto não há necessidade de preocupação, pois mesmo as áreas mais refrigeradas não chegam perto do que te espera do lado de fora. Cedo ou tarde, você vai ter que sair pela porta do Pearson International pra encarar a realidade, seja pra pegar um shuttle, um Uber, ou um ônibus comum…


O inverno Canadense traz muito mais do que uma sensação de frio: é uma dor extrema. Machuca seu rosto, sua mão, ou qualquer parte descoberta que esteja dando mole pro vento que sopra.


Vale a pena comprar roupas de frio no Brasil pra chegar preparado por aqui? Na minha opinião, sinceramente não vale. Por vários motivos: primeiramente os valores, pois por não haver tanta demanda de proteção ao frio extremo este tipo de roupa acaba sendo muito algo específico, difícil de achar, e com preço salgado. Até pesquisamos na Decathlon mas não valia a pena mesmo. Também tem a questão da qualidade dos materiais (mais sobre isso a seguir) pois é muito difícil achar roupas que forneçam os graus de proteção necessários. E tem também a última questão: como você vai comprar seu casaco no meio de um calor de 40 graus sem sequer saber como é o frio que te espera?

Por essas e por outras acabamos optando pelo famoso improviso: fomos empilhando casaco em cima de casaco, fazendo camadas, pelo menos pra primeira semana até decidirmos quais roupas iríamos comprar no Canadá.


E quem avisa amigo é: comprar roupa de inverno no meio do inverno não é barato aqui. Preparem-se para a “facada”!


Na primeira semana aqui em Toronto as temperaturas variaram entre -2 e -11° (lembrando que em função da umidade geralmente a sensação térmica real é de 7 a 10 graus a menos). No avião já havíamos carregado cachecol e casacos médios (coisa pra se usar num inverno paulistano, por exemplo), além de um cardigan quentinho q além de compor uma camada já serviu pra aliviar o frio do avião. Todas as peças já eram minhas anteriormente, não comprei nada específico pra viajar   somente uma luva no dia que cheguei (já que eu não tinha); a composição ficou assim no final:

clothing1

  1. Camada externa: Casaco de lã sintética com capuz (Forever21 Men, R$ 50,00); era um casaco bobo que eu usava no “inverno” carioca. A única coisa boa é o capuz que fornece uma camada boa de proteção quando sobreposto ao gorro.
  2. Camada do meio: Jaqueta de suede com forro interno (Zara Men, cerca de R$ 100,00); essa é bem quentinha e ajustada ao corpo. Serviu muito bem de camada intermediária pra segurar o calor do corpo enquanto se está do lado de fora.
  3. Camada interna: Camisa de algodão com manga longa beeem velha (Zara Men, cerca de R$ 30,00); bem qualquer coisa mesmo, nada especial, só pra impedir a pele do corpo de ficar em contato com o casaco (que com zíper e bolso ninguém merece).
  4. Cachecol de algodão bem velho (daqueles que se encontra em qualquer loja, acredito que por no máximo uns R$ 35,00); esse aqui nao serve pra nada mas é o que eu tinha em mãos; o ideal mesmo é um de lã grossa mas esses são muito grandes e pesados. Acabei comprando um neck warmer (“esquentador de pescoço”) no Dollarama por C$2,00 que foi a melhor coisa. Não recomendo ficar sem uma proteção no pescoço pelo risco de problemas na garganta (eu tive assim que cheguei e conto mais sobre isso depois).
  5. Gorro de lã (Sem marca, produto de feira, cerca de R$ 20,00); produto indispensável pra proteger sua cabeça e orelhas. Sinceramente não recomendo sair sem isso ou um protetor auricular (que vende aqui por C$2,00), o risco de dor ou mesmo inflamação nos ouvidos é grande.
  6. Luva de lã sintética comprada após a chegada (H&M, C$12,00 com 2 pares); sinceramente não gostei. Sua mão congela e parece que vai cair do mesmo jeito. Essa é legal por funcionar com touchscreen, mas em compensação não protege do vento. Minha dica é investir numa luva impermeável, mesmo que não funcione pro celular, pois sinceramente essa aqui não fornece proteção alguma. Acabei comprando uma melhor depois, mas com calma pois já tinha essa como algo provisório.clothing2
  7. Calça de Moletom grosso (Zara Men, cerca de R$ 80,00); essa era outra peça do guarda roupa que eu costumava usar no inverno do Rio, já meio naquele clima forçando a amizade pois esquentava até demais lá Aqui não deu conta (o vento passa muito facilmente) e precisei de uma camada interna extra.
  8. Calça Térmica emprestada (não tem marca nem valor); um querido amigo fez a gentileza de me doar uma peça de roupa térmica que ele tinha usado na Europa. Mas ok, foi uma exceção, então eu indico usar qualquer calça de algodão que seja mais grossa por ter o mesmo efeito, mesmo que seja uma de pijama. Ajuda muito a barrar o vento.
  9. Meias grossas: você pode sobrepor duas pra garatir que o pé não congele (eu fiz isso nos primeiros dias). Em dias de neve, pior ainda: elas vão encharcar de qualquer maneira, não importa quantas camadas estejam dentro do tênis.
  10. A sacola mágica (de graça!): pode chamar de coisa de brasileiro, não tem o menor problema, mas uma sacola plástica entre duas camadas de meia pode fazer a diferença entre ficar desesperado pra voltar pra casa pra aquecer o pé ou conseguir ficar mais umas horinhas na rua. Eu fiz isso várias vezes: é só carregar um par de sacolas na mochila. Nevou ou choveu? Entra num banheiro de shopping e protege o pé. Claro que isso é um improviso, não dá pra aconselhar ninguém a viver assim. Mas enquanto você não conseguir achar a bota perfeita pra gastar seus preciosos dólares é uma ótima dica que eu peguei de um amigo que morou em Montreal.
  11. Tênis de corrida (Nike, cerca de R$ 250,00); nesse caso qualquer coisa funciona, mas vou listar alguns motivos pra não se usar aquela bota linda, ou aquele tênis da Vans: tudo isso escorrega pra cacete! Você precisa de algo que tenha uma tração mínima provisoriamente, até poder pesquisar os preços e comprar sua bota de inverno. A maioria dos calçados que usamos no Brasil não tem a menor preocupação com a estabilidade na neve ou (pior) no gelo — afinal não temos esse problema por lá. Você vai escorregar na rua de qualquer maneira, mesmo com o tênis de corrida… Mas as suas chances de não ter um acidente mais sério são muito menores.

Não tenha medo de usar peças antigas por debaixo das outras. Ninguém vai reparar 😉


Fiquei literalmente improvisando com estas roupas acima por aproximadamente 7 dias (quando finalmente comprei os itens que iria usar definitivamente), somente trocando algumas camadas eventualment…afinal é bom dar uma lavada né.

Quando comecei a pesquisar os casacos e calçados, bateu uma dúvida enorme… Qual a diferença entre os tipos de proteção à água e ao vento?


Water resistant, water repellent, waterproof, windproof…. Qual o melhor? Segura a emoção!


Eu procurei muita informação pela internet antes de ir adquirir o casaco, mas nada me preparou para o que estava por vir. Sabia de duas coisas: o vento gelado é o mais importante a ser evitado, pois é isso que tira a maior parte do calor do seu corpo — windproof; e que a neve não deveria encharcar o tecido pois isso também aumenta a sensação de frio — waterproof.

Só que chegando aqui as roupas não são classificadas bem dessa maneira não. Primeiro que nem todo fabricante vai te garantir um bloqueio de 100% da água ou do vento, alguns até garantem mas o preços são exorbitantes. Segundo que as roupas são classificadas conforme os tecidos, e confesso que não entendo absolutamente nada do assunto. Terceiro: os vendedores das lojas não vão se comprometer a te garantir um bloqueio de vento ou de água quando você perguntar.

Bom, tentando encurtar a história: descobri que waterproof praticamente não existe, pois quase nada vai aguentar se você mergulhar na água. Os termos mais usados são water repellent e water resistant, que significam basicamente o seguinte: a neve cai em você e quando derrete a água escorre pelo tecido, e não entra nele. Mais ou menos como na imagem a seguir:

gaastra-waterrepellent-detail-women-3

Isso é mais do que suficiente na maioria dos casos de vida em meio urbano; talvez só seja necessário algo mais específico para quem vai trabalhar em ambientes externos. Para a locomoção diária como pegar ônibus, andar pelo seu bairro, ficar 1 horinha na rua, esse tipo de proteção é mais do que adequada.

Em relação ao vento, também dificilmente você vai ver alguma etiqueta escrito windproof em alguma loja. O que define a resistência ao vento é a trama do tecido, ou seja, quanto mais robusta a trama, menos vento vai entrar. Eu acabei escolhendo um casaco de sarja grossa e vou falar mais sobre ele (e outros tipos mais usados de casacos) no final do post.

Essa preocupação toda com vento e água acontece pelo seguinte: se você está com frio, uma das coisas mais importantes é mater seu corpo seco. Qualquer tipo de umidade que entrar (ou mesmo suor que vem de dentro das roupas) pode aumentar demais a sensação de frio, e isso não é legal. Apesar disso, vejo muitas pessoas aqui que circulam com roupas de tecidos normais, aparentemente sem proteção alguma — em compensação elas carregam uma capa de chuva, ou um guarda chuva, ou algo do tipo. Se você resolver investir no tecido adequado não vai precisar se preocupar com estes acessórios na maioria dos dias.


Quem avisa amigo é: quando você acordar e o sol estiver brilhando lá fora, dobre a quantidade de casacos e invista numa roupa térmica 🙂


A tal da roupa térmica é um negócio polêmico. Os mais acostumados com a vida Canadense vão de dizer que é algo desnecessário, que ai só se usa isso abaixo de -30° e mimimi, mas olha só… você passou quantos anos da sua vida sem saber o que é um frio extremo? 25, 30 anos?

Explicando pra quem é iniciante: roupa térmica é qualquer tipo de camada de roupa que se sobrepõe diretamente à sua pele — como se fosse um pijama ou uma roupa íntima — e que tem a função de segurar o calor do seu corpo no lugar.

Eu não tenho nenhuma formação em física, mas é bom entender um conceito básico de como o frio funciona: nenhum tecido vai esquentar seu corpo, é impossível. As roupas tem a função de segurar o calor, evitando a perda rápida pro ambiente (que está super frio e vai querer naturalmente promover uma troca térmica com o seu querido corpo). Aliás, o próprio conceito de calor pra definir isso é meio errado, tem um termo certo pra isso, mas enfim a ideia é essa.

As roupas térmicas podem ser feitas de vários tipos de tecido. Existem vários fabricantes, modelos, preços, mas geralmente são calças (tipo leggings) bem coladas ao corpo e blusas de manga longa (às vezes com gola alta, às vezes sem). Uma das opções mais famosas aqui por Toronto atualmente é a marca Uniqlo, pois eles vendem uma linha de roupas térmicas chamada heatech (algo como “tecnologia de aquecimento”) que promete segurar o calor muito melhor que as outras.

clothing3

  1. Calça Térmica Masculina Uniqlo (C$ 25,00)
  2. Blusa Térmica Masculina Uniqlo (C$ 20,00)

É barato? Não, não é. Alias, nada dessa marca é barato. Eu comprei um par desse (blusa + calça) pouco depois de chegar, pra substituir a roupa térmica usada que eu havia ganhado. Realmente são muito boas, não tenho do que reclamar. Alias são boas até demais: eu visto e saio voando de casa, pois em temperaturas de ambientes internos com aquecimento parece que seu corpo vai explodir de tanto calor que se sente. É uma roupa feita para dias muito frios mesmo.


Quão frio é muito frio? Quando devo usar roupa térmica


E aí voltamos à questão central da conversa: você pode pesquisar e se informar como eu fiz, mas no final das contas quem diz o quão frio é muito frio é você. Como eu disse antes, isso varia muito com a adaptação e a tolerância ao frio de cada um, mas vou tentar explicar abaixo como eu me preparo pra sair diariamente. Lembrando que a sensação térmica acaba sendo mais importante do que a temperatura na hora de tomar essa decisão.

Sensação térmica de 5° a 10° (uma raridade no inverno): qualquer casaco simples e mais grosso, uma calça jeans e vá ser feliz.
Sensação térmica de 0° a 5°: já é bom usar o seu casaco de inverno (ou o improviso de camadas), sabendo que você vai sentir calor em alguns momentos. Na calça é melhor escolher um tecido mais fechado ou “quentinho”, como moletom ou sarja (não recomendo jeans).
Sensação térmica de 0° a -10° (muito comum por aqui): Investe no casacão de inverno, luva, cachecol, tudo que puder. Não tem muita necessidade de roupa térmica, dá pra se virar com as camadas externas.
Sensação térmica de -10° a -20° (até -15° é frequente, abaixo disso acontece ocasionalente): Casacão de inverno, blusa manga longa, blusa térmica, calça de tecido fechado, calça térmica, gorro, luva, cachecol, e talvez uma fogueira portátil…
Sensação térmica abaixo de -20°: Só passei por isso uma ou duas vezes, e sinceramente não há roupa nesse mundo que vá manter seu corpo aquecido. A dica aqui é tentar ficar na rua o menor tempo possível mesmo. Com o tempo você aprende que nessas condições pode não ser uma boa ideia dar aquele passeio no parque, por exemplo.


Preciso comprar meu casaco definitivo. E agora?


Como tudo nessa vida pra quem é ferrado e está com a grana contada, nessas horas o mais importante é pesquisar muito. Quando eu cheguei aqui no Natal era época de boxing day, um famoso feriado provincial onde tudo tecnicamente estaria em promoção. Bom, promoção realmente não foi o que faltou, porém… De que adianta um casaco de mil dólares estar pela metade do preço se você só pode pagar C$100?

E nessa missão fomos: rodamos todos os shoppings da cidade, em dias e dias sem fim de procura, pesquisa e comparação. Nessas horas o seu objetivo aqui vai contar muito: você quer um casaco definitivo pra usar nos próximos invernos, ou só quer algo que dê conta do recado sem muita preocupação com qualidade? Meu caso era o primeiro: pra mim era fundamental que fosse de boa qualidade, muito bonito, e bem barato — a combinação perfeita para se frustar.

Primeiramente: tem muito casaco feio aqui. Muito mesmo: é uma coleção de coisas que te deixam parecendo um pneu sem forma, outras que tem um brasão enorme estampado pelo tecido, e tem ainda as marcas com penas e mais penas e camadas de penas que sinceramente eu não queria. Vou listar abaixo as marcas mais famosas de roupas de inverno por aqui pra você poder comparar:

Canada Goose: é uma das mais caras, ostentação total. Um casaco deles pode custar C$800,00 facilmente, ou seja, se você é ferrado que nem eu, pode esquecer. Fora que eles vivem envolvidos em polêmicas com organizações pró direitos dos animais por usarem penas naturais, e isso sinceramente não é legal com tantas alternativas por aí.
The North Face: tem umas coisas lindas e de muito bom gosto, mas também não é pro meu bico. Os casacos giram em torno de C$300 a C$500 normalmente.
Columbia: é uma marca legal, com um estilo mais esporte, meio esquimó às vezes. Dá pra achar boas peças na promoção de C$150 a C$250.
Uniqlo: essa é a queridinha do ser urbano! Essa marca tem feito sucesso mundo afora pela qualidade das roupas, pela tecnologia de bloqueio de chuva e neve, e também pelo estilo super limpo e minimalista que é um dos pontos fortes. Um casaco masculino robusto por lá vai custar de C$150 a C$300. Detalhe: como essa marca (que já e bem estabelecida mundo afora) acabou de chegar pelo Canadá, não espere muitas promoções. Ainda está com o status de novidade.
Demais Fast Fashion Brands: de Zara a H&m e Forever21, existem sim opções de roupa de inverno para homens. Porém, nenhuma delas tem qualquer tipo de proteção ao vento ou umidade (somente em raros casos). Um casaco robusto na Zara custa em média C$120,00 (mas pode chegar a 70 ou 80 nas promoções).
Grandes Lojas: Lojas como a Winners (tipo uma lojas americanas americanas e a Hudson Bay (idem, uma loja de departamento enorme) vendem casacos das mais variadas marcas possíveis, como Calvin Klein, Hugo Boss e várias outras que eu sequer conheço. Os preços variam muito: começam em C$80,00 e podem ir até C$500,00 — dependendo do modelo e da marca. Rodei muito essas lojas e foi aquele dilema: não gostei do que cabia no meu bolso, não cabia no meu bolso o que eu gostei.
Adidas: a Adidas daqui faz casacos incríveis e eu nem sabia que a marca tinha roupas de inverno. Caí em uma loja sem querer e fiquei apaixonado por basicamente todos. Acabei comprando o meu por lá, mas atenção: os preços são bem salgados. Em média um casaco de inverno lá custa de C$200 a C$500, mas aí entrou o fator promoção: de C$320 o meu saiu por C$170. Não tinha como não levar.

Mas aí voce pode estar pensando DEUS ME LIVRE PAGAR ISSO NUM CASACO E P — vamos com calma. Primeiramente eu esperava pagar bem menos do que isso quando cheguei. Só que com a procura e passando pelas lojas vi que gastaria bem mais, e no final das contas acabei aceitando o fato. Primeiro eu queria gastar C$90… no segundo dia vi que não faria por menos de C$150… no final das contas entra o fator amor pela peça e abri mão de 20 dólares a mais pra ter o modelo que eu queria. Ah, e é um casaco da Adidas: se isso aqui não durar muito tempo, eu não sei o que mais pode durar. Nós não tinhamos esse valor todo no nosso planejamento financeiro, e meu marido ainda acabou comprando um da Uniqlo por C$200. Caro pra cacete! Mas olha, não me arrependo. São peças maravilhosas que eu tenho certeza que vamos usar por muitos invernos ainda. A maldita aí:

adidas1


Jacket, Bomber, Coat, Parka… E agora? Como se virar no vocabulário das roupas de inverno.


Outra coisa muito confusa: no Brasil a gente está acostumado a se referir a casacos simplesmente como…casacos… Aí você chega aqui e tem milhares de tipos de peças. Cada uma de um jeito, com uma função diferente! É de ficar louco mesmo. Vou confessar que até hoje ainda não entendo exatamente tudo que se refere ao vocabulário do frio, mas seguem alguns termos abaixo que podem te ajudar a não chegar muito perdidão:

clothing4

  1. Jacket: ao contrário do que se pode pensar quando comparamos às nossas jaquetas, Jacket é um termo amplamente usado pra se referir a vários tipos de casaco. Geralmente uma Jacket vai cobrir os braços e o tronco, parando na cintura. Pode ter capuz ou não.
  2. Bomber Jacket: é um tipo de Jacket que se vê muito por aqui, inspirado por modelos utilizados pela tripulação de aviões (daí vem o nome bomber: avião de bombardeio).  Geralmente não possuem capuz e apresentam uma modelagem mais ajustada ao corpo.
  3. Track Jacket: são casacos de corrida, geralmente super leves.
  4. Windbreaker: “quebra-ventos” são parecidos com as Track Jackets porém com atencão especial pra proteção contra o vento. Podem ser usados sobre casacos comuns tambem.
  5. Coat: outro termo que engloba vários tipos de peças, mas geralmente vai ser algo parecido com uma Jacket porém um pouco mais longo, terminando abaixo da cintura.
  6. Hoodie: é um casaquinho (geralmente de moletom) com capuz, bem simples. Pode ser aberto ou fechado.
  7. Vest: é o famoso colete. Muita gente usa por aqui, eu acho super estiloso pro inverno, mas sinceramente não vejo muita utilidade já que não cobre os braços.
  8. Parka: é um casaco mais longo, que desce até o meio da coxa, fornecendo assim mais proteção nas partes inferiores do corpo.
  9. Long Coat / Trench Coat: são casacos que terminam lá pelo joelho. Sim, parece a mesma coisa que a Parka, né? E é quase a mesma coisa. Só muda o nome!

Bônus DOWN: Você sabe o que significa down? Bom, eu também achava. A coisa que você mais vai ver por aqui é Down JacketDown Parkadown isso, down aquilo. Demorei pra entender (afinal não faz o menor sentido), e no final das contas Down significa que a roupa foi insulada com uma camada de isolamento (pode ser pena ou alguma coisa sintética, procure se informar na hora) que promete segurar mais o calor.


A conclusão é essa: não espere gastar menos de C$100, não espere fugir do frio, e venha preparado para estes gastos que são mais do que necessários. Espero ter ajudado!

Quer saber um pouco mais sobre como é a rotina no frio? Tem aqui.
Quer conhecer como é o curso de Interactive Media Design? Tem aqui também.
Que tal saber um pouco mais sobre os trabalhos que desenvolvo por lá? Clique aqui.
E tem muito mais sobre a vida canadense nesse link.

Advertisements